PRAÇA DA LAGOINHA

    

        

Lagoinha ficava cerca de trezentos metros da Rua das Trincheiras (Liberato Barroso), próximo a Praça Marquês do Herval (José de Alencar), com a Rua da Intendência (Guilherme Rocha), pois, era uma pequena lagoa de onde os escravos traziam água para seus patrões. A Pequena lagoa em seguida fora aterrada, reduzindo-se o espaço da mesma e dizem até com lixo.

O Comerciante Abel Costa Pinheiro fornecia água para as casas. U

tilizava carroças com barris através de uma cacimba que, era forrada com anéis de madeira, cuja construção data de 1850. Dez anos depois, houve a inauguração da Companhia de Água do Benfica; A Cacimba ficou ao abandono até que a ESTRADA DE FERRO DE BATURITÉ a reconstruiu em alvenaria e passou a utilizá-la. Foi construída uma caixa d‘água e o reservatório fora pintado de vermelho e um belo cata-vento acionava a bomba.

Ao lado por onde passava os trilhos, tinha uma torneira, pois, foi o primeiro ponto de abastecimento das locomotivas à Vapor. Tomavam água neste local a Maranguape, Pacatuba, Acarape e a pioneira Fortaleza, máquinas adquiridas na Inglaterra, construídas por Hunslet Company Leeds.

Após a inauguração da Via Férrea foram construídos prédios e, fora dada vida naquelas imediações. Aos 31 de dezembro de 1922 devido ao crescimento da cidade os trens passaram a circular por uma linha que transpassava o Riacho Jacarecanga, e as linhas foram sendo retiradas do centro; Houve o desvio no Sítio Amaral, bairro de Porangabussu que cortara o Farias Brito (à época Matadouro), sendo acompanhada pela Av. José Bastos, tal como ainda está, mesmo com a implantação do Metrô de Fortaleza. A Estação de Matadouro em 1926 passaria a homenagear, o Eng° Otávio Bonfim (Chefe da Via Permanente RVC-1923, e Chefe de Tráfego quando faleceu).

Voltando à Lagoinha, convém salientar que em 12 de julho de 1930 foi inaugurada a Praça Comendador Teodorico com o Jardim Tomaz Pompeu; Esta praça recebeu do então prefeito Álvaro Weyne a fonte dos cavalos (adquirida na Alemanha); essa fonte ao ser retirada da praça foi montada na Av. 13 de Maio no cruzamento com a da Universidade e hoje está na praça do BNB.

Após a saída do trem dessa Rua Trilho de Ferro (Tristão Gonçalves) ainda por muitos anos ainda continuou sendo chamada. Tinha um coreto onde havia apresentações artísticas.  Aos 03 de maio de 1965, na gestão de Murilo Borges, fora inaugurada a estátua do historiador Capistrano de Abreu, cearense de Maranguape, que de fato é o patrono da Praça.

Finalizando prevalece a popularidade: PRAÇA DA LAGOINHA, onde encontramos uma herma, justa homenagem ao estudante João Nogueira Jucá (Herói no Incêndio do Hospital em 1959) e guardando silenciosamente, uma página da História Ferroviária.

O Metrô de Fortaleza, passando na via subterrânea é novidade por rapidez, conforto e  natureza operacional, mas, pelo trajeto apenas repete a história.