SANTA CASA DE MISERICÓRDIA

 

 

As obras do Hospital da Caridade tiveram inicio com a seca de 1845, quando deixou várias pessoas doentes e sem tratamento. A iniciativa foi do Presidente da Província Cel. Inácio Correia de Vasconcelos.

Com a construção do primeiro Cemitério de Fortaleza no Morro do Croatá, local onde seria construído o prédio da Estrada de Ferro, ocorreu a paralização das obras do hospital. O Cemitério de São Casimiro foi inaugurado em 1848 por Casimiro José Moraes Sarmiento.

Com um novo surto de cólera, epidemia que, assolara o Ceará as obras foram retomadas em 1854, isso já na gestão do Padre Vicente Pires da Mota que alavancou os trabalhos com apoio da elite e com a figura humanitária do Boticário Antonio Ferreira, então Intendente de Fortaleza e estava na época realizando um excelente trabalho que era o plano diretor da cidade.

O prédio ficou pronto em 1857 no mesmo local onde ainda funciona hoje, mas devido a não qualificação de pessoal o hospital só começou a funcionar em 1861, depois de organizada a Irmandade Beneficente da Santa Casa da Misericórdia em Fortaleza. Os doentes ainda sofriam com os Lazaretos que já não tinha mais condições de funcionar e que fecharam as portas, quando o Hospital Santa Casa começou a funcionar a princípio com 80 leitos.

Irmandade Beneficente da Santa Casa da Misericórdia de Fortaleza foi a mantenedora do hospital, e o Dr. Joaquim Antônio Ribeiro foi o primeiro médico nomeado para trabalhar, em 12 de março de 1861.

No começo do século XX a Santa Casa de Fortaleza enfrentou a grande calamidade pública que foi a seca de 1915, que passou a atender uma grande massa de retirantes sofrendo das mazelas da seca, e isso levou o Dr. Manuelito Moreira a construir a Maternidade Dr. João Moreira, quando o hospital recebeu seu andar superior. O projeto foi do arquiteto italiano P. Fiorilo, e sua fachada  recebeu características Neo-clássicas, o que aumentou sua importância  arquitetônica e histórica.

Dez anos depois da grande seca, a Santa Casa passou a se firmar como um hospital de alta tecnologia, ao ser o primeiro no Estado a introduzir o serviço de radiologia ao inaugurar no dia 29 de junho de 1925, aparelho de Raios X.

Em 1961, a Santa Casa de Fortaleza completou 100 anos e contava então com 300 leitos tornando-se então um hospital de grande porte. Na década de 1970 passou por modificações em seus estatutos quando foi desligado da Arquidiocese de Fortaleza. Em março de 1971 foi inaugurado um centro cirúrgico que, em pouco tempo fez com que fosse o hospital a realizar o maior número de cirurgias em todo o Ceará.

Nos anos 80 a Santa Casa passou a integrar um modelo de atendimento médico baseado no Sistema Único de Saúde – SUS, além de contar com doações.