CAUCAIA NA ROTA DA FERROVIA

 

Caucaia é um termo do Guarany Caa = mato + Caia = queimado, designando o nome de Mato queimado.

Administrada pelos jesuítas, a antiga “Missão de Caucaia” foi elevada à categoria de Vila em 1758 cuja, freguesia criada um ano após, denominou-se de Soure, nome advindo do bispado de Coimbra em Portugal.

Soure juntamente com Arronches (Parangaba), tanto as Freguesias como as Vilas foram extintas em 1833 e 1835 respectivamente, sendo seus territórios novamente anexados à Capital. Banhado pelo oceano atlântico ao Norte, os outros limites originais de Soure eram fluviais, pois, ao Leste ficava o Rio Ceará, ao Sul o Boticário em Santa Luzia de Maranguape e, ao Oeste Siupé pelo Cauhype. As várzeas eram cobertas por carnaúbas e tinha áreas montanhosas com cultura diversificada, dentre as quais, criatórios de bovinos.

Em 1860 a povoação de Soure era em torno de 6.000 habitantes que sobreviviam da agropecuária e pesca, constando de 40 fazendas, 50 lavras de café dentre produtos como mandioca e algodão. Com as noticias do surgimento do trem no Rio de Janeiro (1854), os Srs. comerciantes Antonio da Cruz Guimarães e José Joaquim Carneiro, assinaram com o Governo Provincial em 15 de abril de 1872, um contrato para a construção de uma linha férrea que, partindo de Fortaleza iria até Soure com um ramal para São Gonçalo do Amarante. O projeto ficou só na teoria.

Aos 4 de fevereiro de 1910, o Governo da União arrendou os serviços de construção e exploração do transporte ferroviário do Ceará para uma firma inglesa denominada: “South American Railway Construction Company Limited”, de onde em uma das cláusulas do referido pacto, constou a Construção da Estrada de Ligação “Estrada de Ferro Fortaleza Itapipoca – EFFI” ou seja, uma linha que saindo de Fortaleza passasse por Itapipoca e depois fosse fazer junção com a Estrada de Ferro de Sobral, cujo inicio da operação já vinha desde 1881.

O início das obras ferroviárias com destino à Soure teve início em 1916 quando foi aproveitada uma ponta de linha existente no Morro do moinho (Onde saía o ramal da Alfândega pela beira da antiga praia Formosa). A linha teve o seguinte trajeto: saindo do pátio da estação central cortou a Rua Tomaz Pompeu (Atual Filomeno Gomes); Em seguida transpassou a ponte sobre o riacho Jacarecanga, penetrando nos bairros Paiol da Pólvora (Tyrol), Floresta, Monte-picú (Presidente Kennedy), Cachoeirinha (Padre Andrade), Barro vermelho (Antonio bezerra) e, por não poder prosseguir em tangente rumo ao Oeste devido ao território dos índios * Caucaias e a grande lagoa do Tabapuá, a via férrea teve de fazer um grande contorno na localidade de Jurema. Foi graças a essas impossibilidades de 1916 que, posteriormente os Conjuntos habitacionais de São Miguel, Ceará e o Araturi foram beneficiados pelo trem.

O trecho Fortaleza – Soure foi concluído aos 12 de outubro de 1917, quando foram inauguradas as estações de Barro Vermelho (Antonio Bezerra) e Soure em duas apoteóticas solenidades presididas pelos Engenheiros Henrique Eduardo Couto Fernandes (Diretor da Rede de Viação cearense) e Bernard Piquet Carneiro (Assistente). A linha prosseguiu em rumo ao Norte do Estado, porém só chegou à Cidade de Sobral em março de 1950.

O decreto estadual nº 1.114 de 20 de dezembro de 1943 mandou que, a Cidade de Soure passasse a se chamar “Caucaia”, restaurando assim o nome de seus primitivos habitantes.

Caucaia hoje é bem servida fazendo parte da Região Metropolitana de Fortaleza e, mesmo com sua estação ferroviária mutilada, o Metrô de Fortaleza está lá para abraçar seus usuários.

 

 

* A nomenclatura Tapebas surgiu com o Arcebispo de Fortaleza Dom Aluisio Lorscheider, que aqui chegou aos 4 de abril de 1974.

 

 

 

 Sobre o Distrito de Jurema

 Em 1911 quando a Rede de Viação Cearense, que ainda estava nas mãos dos ingleses começou os estudos para a construção de uma linha que, saindo de Fortaleza se ligaria com a Estrada de Ferro de Sobral, houve muita polêmica quanto ao traçado entre o distrito de Barro Vermelho (Antônio Bezerra) e a cidade de Soure (Caucaia). Os problemas eram a lagoa do Tabapuá que era muito grande e a oposição que na época, os índios Tapebas ofereciam no local.

A linha férrea então tomou outro rumo, fazendo um percurso de quase cinco quilômetros Norte Sul atingindo no final de 1916, o povoado de Jurema hoje, um próspero distrito do Município de Caucaia.  Após o Km 14 dessa linha Oeste, o traçado fez o desconto, transpassou o Riacho Aratury e atingiu na mesma reta, o ponto tangente de saída do Barro Vermelho.

Jurema e Aracapé eram as  paradas de suburbano mais antigas da região Metropolitana de Fortaleza.

Além de atender passageiros, a construção da  Estação Jurema passou também a funcionar estrategicamente, para a operacionalização dos cruzamentos. Implantada devido a Criação da Coordenadoria de Transportes Metropolitano – CTM a mesma foi  inaugurada juntamente com a de São Miguel e a parada do Conjunto Ceará  em  fevereiro de1982,  na profícua gestão do Dr. Francisco Roberto de Santana quando, esses serviços ainda pertenciam a nossa saudosa RFFSA.